domingo, 18 de fevereiro de 2007

A estranha trajetória do Clark Ashton Smith




    Da chamada Santíssima Trindade da Weird Fiction dos anos 20 e 30, o prosador e poeta americano Clark Ashton Smith foi o escritor com a trajetória mais curiosa. Ao contrário do H.P. Lovecraft que morreu sem ter um livro publicado em vida e das poucas publicações do Robert E. Howard (criador do Conan) antes do seu trágico suicídio, o Smith, em vida, teve a satisfação de ver a quase totalidade de sua obra poética e contística publicada, para, logo após a sua morte no começo dos anos 60, cair no esquecimento quase total.
   Apesar de ser aclamado por figurinhas carimbadas como o poeta decadente George Sterling e escritores do calibre do Ray Bradbury e M. John Harrison, sua obra jamais alcançou o reconhecimento e popularidade dos seus companheiros.
    Quarenta e seis anos após sua morte, a julgar pela quantidade de publicações recentes, parece haver uma nova geração de leitores interessados em sua obra. Dentre as editoras empenhadas em alavancar o interesse dos leitores, a americana Night Shade Books promete lançar sua obra contística completa, com os textos meticulosamente revisados em edições em capa dura. Outras como a University of Nebraska empenham-se em atrair uma nova geração de leitores com atrativas edições populares e preços accessíveis.
    Se o Smith terá o reconhecimento que merece, só o tempo dirá.

Edição da Night Shade Books:





2 comentários:

Marcelo Carrard disse...

Oi RAMON. Gostei muito do teu Blog e do seu Perfil traçado pelos seus filmes e séries favoritos. É interessante a trajetória Maldita desse trio de grandes escritores. Vou linkar seu endereço no Mondo Paura agora, até mais.

Ramon Bacelar disse...

Valeu Marcelo