domingo, 4 de março de 2007

Cinema e quadrinhos cult - Artigo

Um aspecto positivo das adaptações cinematográficas de revistas em quadrinhos cultuadas, é o grau de divulgação que essas obras obtém perante um público não habituado a leitura de gibis. Independente da qualidade e resultado final, quase sempre insatisfatório, esses filmes acabam por despertar a curiosidade do espectador em conhecer as obras originais, que geralmente se distanciam das adaptações na qual elas serviram de base.
O Corvo do James O`Barr é apenas um, dos muitos exemplos de como um filme baseado numa obra cultuada e semi-obscura pode alavancar o interesse dos espectadores e consequentemente torná-la mais conhecida do público mainstream.


Ghost World do artista underground Daniel Clowes, certamente se tornou muito mais conhecida após sua adaptação para a telona; o mesmo vale para Do Inferno, V de Vingança, dentre outras. Mas nem sempre uma adaptação é garantia de reconhecimento e aumento de vendas.



O Hellblazer é um gibi cultuado que vende na casa dos treze mil exemplares (uma X-Men vende pelo menos seis vezes mais), a adaptação para a telona certamente atraiu a atenção do público mainstream, mas pouco contribuiu para seu aumento em vendas, em parte pela insistência dos produtores em despersonalizar o Constantine e americanizar o conceito original com o intuito de torná-la mais palatável para o público mainstream. Para quem não conhece o gibi, Hellblazer é extremamente britânico com enxofre e danação exalando pelos poros.

No caso do Hellboy a situação é mais complicada, pois atinge diretamente a revista. Os leitores fiéis que acompanham o trabalho do Mike Mignola desde a primeira minissérie foram visivelmente deixados de lado, pois, com o sucesso razoável do filme, ele partiu para outras mídias e como consequência, o material original desenhado e escrito por ele está se tornando cada vez mais escasso; como se não bastasse, Mignola já declarou que a próxima minissérie terá outro desenhista.
Com seus prós e contras, as adaptações continuam aparecendo numa velocidade vertiginosa, se isso terá um efeito benéfico para a indústria dos quadrinhos, teremos que esperar.

2 comentários:

Luis Azevedo disse...

Cara, confesso que não sabia que O Corvo era baseada em uma hq... Provavelmente não deve ter nem os créditos nas capas do vhs e do dvd. Deve ser bem underground mesmo...

Ramon Bacelar disse...

Antes do filme já era razoavelmente conhecida. Saiu por aqui.