domingo, 17 de junho de 2007

Os pequenos gigantes do cinema fantástico-Parte 3


Curtis Harrington:

Harrington é daqueles artistas que pagaram
o preço da própria originalidade. Começou como curta-metragis-
ta de vanguarda e estréiou sob a batuta do Roger Corman com uma maravilhosa fantasia onírica estrelada por um jovem Dennis
Hopper chamada The Night Tide; a este seguiram-se mais algumas
produções para Corman, mas começou a chamar a atenção mesmo
com um elogiadíssimo suspense chamado Games e filmes cujo rigor estético (em se tratando de cinema comercial de baixo orçamento), cultura cinematográfica e originalidade de visão o colocaram dentre os mais individualistas e idiossincráticos diretores do cinema fantástico. Quantos diretores teriam a manha de colocar num mesmo filme um adorável número infantil, uma cinquentona psicótica,
espetáculos grand-guinol digno dos melhores slashers, embalados numa história de suspense embebida em nostalgia e humor farsesco?
Assistam What's the Matter With Helen? e Who Slew Aunt Roo? e comprovem.

Ame ou odeie Harrington é um original.

Nenhum comentário: