sábado, 25 de agosto de 2007

Dead in Love (1836)- Théophile Gautier-Resenha de conto


Sinopse:
Padre recém ordenado se apaixona perdidamente
por uma jovem cortesã a quem ele viu pela pri-
meira vez em uma igreja momentos antes da ordenação.
Ao visitar a mansão após sua morte para fazer
a vigília do corpo acaba caindo em tentação.
No presbitério, começa a ter sonhos em que é vi-
sitado pela defunta e acaba se entregando de corpo
e alma.
Atormentado, inconformado e completamente perdido
entre a realidade e ilusão, recebe ajuda de um colega que
tenta lhe provar a existência do cadáver da cortesã.

Crítica:
Dead in Love é um dos clássicos absolutos do romantismo
francês e uma das melhores histórias sobre femmes
fatalles
já escritas.
Poucos contos fantásticos alcançam a grau de flamboyance,
erotismo e intensidade romântica de Dead in Love.
Gautier, através de um estilo de prosa delicado, refinado,
e dramático, nos joga no abismo de dilemas, tormentos
, paixões, pecados e fervor religioso do pertubado protago-
nista cujas infrutíferas tentativas de abolição da tentação carnal
são transmitidas para o leitor com absoluta clareza e convicção.
Além de estilista consumado Gautier também é um storyteller de
primeira. O conto têm um ritmo frenético, impossível não lê-lo
de uma sentada.
O primeiro encontro do padre na igreja com a cortesã, sua angús-
tiada e pecaminosa vigília sobre o corpo da amada (narrada com
uma intensidade necrofílica que beira a heresia), as aparições da
amada em seus pesadelos, são narradas com uma intensidade hipnó-
tica e tantalizante.
Gautier faz um sofisticado uso do mito do vampiro e dos
temas do other, double e doppelganger. Em certos
momentos o protagonista, perdido entre pesadelos noturnos
em que sonha ser um galante e sua tediosa existência como um pa-
dre recém ordenado, passa por um processo de despersonalização
a ponto de não saber se é um galante sonhando ser um padre ou um
padre que sonha ser um galanteador.
Dead in Love é um poema decadente de grande força e beleza.

Cotação: ***** de *****

Dica: este conto foi lançado no Brasil como A Morte Amorosa
no livro O Clube dos Haxixins.

Nenhum comentário: