sábado, 15 de setembro de 2007

Umberto D. (1952)-Resenha de filme



Direção: Vittorio De Sica

Sinopse:
Idoso solitário, prestes a ser despejado da pensão,
tenta arrecadar fundos vendendo objetos pessoais en-
quanto se desentende com a pensionista e cuida do
seu cão vira-lata.



Crítica:
Em Umberto D. De Sica exercita toda sua sensibilidade e
humanismo, mas desta vez seu olhar é mais melancólico e
desiludido que em Ladrões de Bicicletas. Nele também es-
tão presentes todos os elementos que eu classificaria co-
mo "siqueanos": excelente uso de locações externas tornan-
do a cidade quase como um personagem, interpretações na-
turais (ninguém "dirige" atores amadores como o De Sica),
boa dose de sentimentalismo sem nunca descambar para
xaropada, cenas de grande força poética (a sequência em
que o protagonista se recusa a pedir esmolas e coloca seu
vira-lata para fazer o "serviço sujo" é inesquecível), humor
low-key, understated e melancólico (a cena em que ele veste
sua melhor roupa para ser carregado de maca para o hospital
é de uma beleza e simplicidade absurdas, mas ao mesmo tempo
hilária e profunda), e uma graça e sensibilidade ao tratar da
condição humana que muito me lembra o Chaplin.
Pela seu tom melancólico e fatalista Umberto D. pode não ter
para algumas pessoas o mesmo fascínio e encanto que Ladrões
de Bicicleta, mas nele vemos De Sica no topo da forma.
Falar de mestres é andar em círculos, é chover no molhado, é
ser previsível, portanto me perdoem se eu cair no óbvio:
VITTORIO DE SICA É GÊNIO.

Cotação: ***** de *****

4 comentários:

Demonarch disse...

Não conhecia. Vou voltar sempre. Congratulations.

Ramon Bacelar disse...

Thanks!!

socorro b. disse...

Grande diretor e grande ator.

Ramon Bacelar disse...

De Sica é meu neo-realista predileto.