segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Daydreams and Nightmares-Resenha de HQ











Crítica:
Winsor McCay é considerado quase que por unanimidade
como o primeiro gênio inconteste dos quadrinhos, e a meu
ver é dificil discordar. Claro que seu contemporâneo George
Herriman já fazia barulho com versões mais primitivas do seu
Krazy Kat (considerado por muitos, incluindo este que vos fala,
como a maior tira de HQ já feita) mas Herriman só começou a
acertar o passo e chamar a atenção da intelligentsia e vanguar-
distas no começinho dos anos 20, enquanto que McCay em suas
primeiras tiras já demonstrava sua esplêndida imaginação
visual e virtuosismo gráfico.
Se o sucesso e longevidade do seu magnífico The Little Nemo
in the Slumberland teve um lado negativo foi justamente o de
ofuscar seus outros trabalhos.
Este álbum chega em boa hora para tentar corrigir essa injusti-
ça e o faz maravilhosamente bem. Fazendo uma espécie de retros-
pectiva cronólogica, Daydreams and Nightmares cobre toda a
carreira do McCay (excetuando as tiras do Nemo) desde seu come-
ço como ilustrador, a tiras diárias de sucesso na época (algumas
injustamente esquecidas/ofuscadas como a genial The Dreams of
the Rarebit Fiend) passando por experimentos falhos de curta
duração como Poor Jake, a maravilhosas ilustrações de fundo
filosófico cujo didatismo e sermões ocasionais felizmente são ofus-
cados pelo virtuosismo do McCay.
Por maior e merecido reconhecimento que ele tenha conquistado
como ilustrador, é como artista inovador dos quadrinhos que ele
será primeiramente lembrado.

Vou relacionar as principais tiras desta coleção com breves comentários:

Little Sammy Sneeze - Tira que narra as trapalhadas de uma criança
com um espirro destruidor. Primeiro sucesso do artista, Sammy é
visualmente uma tira belíssma, mas a idéia central deixa pouco
espaço para evolução e depois de algum tempo acaba se tornando
um pouco repetitiva. Por estes motivos teve curta duração.



The Pilgrim's Progress - Andarilho vagueia pelo mundo tentando se
livrar de um fardo/pasta preta com a inscrição Dull Care. Tira aberta-
mente alegórica e filosófica, é provavelmente a mais intelectualiza-
da e instigante do McCay. Visualmente não chega a ser tão genial,
mas serve de interessante contraponto aos seus outros trabalhos
cuja beleza gráfica acaba por ofuscar os textos.

The Dreams of the Rarebit Fiend- O Rarebit Fiend do título se refere
a uma espécie de torrada européia que provoca terríveis pesadelos
para quem as come antes de ir para cama. Aqui o McCay exercita
toda a sua imaginação e humor bizarro-surreal numa sequência de
pesadelos cujas experimentações gráficas atingem um grau de criati-
vidade, sofisticação e beleza plástica somente igualado pelo seu
Little Nemo.
As tiras ora são hilárias e ingênuas, ora bizarras e surreais e as vezes nightmarish
e pertubadoras.



O restante do álbum nos apresenta várias sequências explorando
a sempre interessante temática dos sonhos/pesadelos (sempre com uma deliciosa inclinação para o surreal e o absurdo) e tiras comparativamente menores , porém com momentos interessantes e ocasionais flashes de genialidade.

Se você que consome HQ's importadas está pensando em adquirir esse
álbum essencial, o meu conselho é que corra, corra. A primeira edição se esgotou
rapidinho e esta segunda não vai demorar muito tempo nas prateleiras


Cotação: ***** de *****

5 comentários:

barb michelen disse...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

Ramon Bacelar disse...

Esses s

Ramon Bacelar disse...

Esses spams são um saco.

livia soares disse...

Olá, Ramon.
Vc arrasou mais uma vez; sou fã do Winsor McCay, quer dizer, do pouco que eu conheço dele. Agora, graças a vc, poderei descobrir e curtir mais coisas dele.
Deixei um prêmio para vc no meu blog. Acho o "Máquinário" o máximo, faço questão de divulgar.
Um abraço.

Ramon Bacelar disse...

>>>>>>Vc arrasou mais uma vez; sou fã do Winsor McCay, quer dizer, do pouco que eu conheço dele. Agora, graças a vc, poderei descobrir e curtir mais coisas dele.
Deixei um prêmio para vc no meu blog. Acho o "Máquinário" o >>>>máximo, faço questão de >>>divulgar.

Thanks!!!!!

Ramon Bacelar