quinta-feira, 1 de maio de 2008

Best American Comics 2006-Resenha de HQ



Sinopse:
Seleção das melhores HQ's publicadas entre
o período 2005-2006 selecionadas pelos
editores Elizabeth Moore e Harvey Pekar.

Crítica:
Com o aumento de publicações anuais Best
Of no mercado americano, não me veio
como surpresa a proposta em se lançar
por uma grande editora uma seleção
dos melhores quadrinhos do ano. O que me
surpreendeu foi justamente o foco em pu-
blicações indies e de circulação mais restrita.
Maravilhoso ver como o underground ame-
ricano borbulha em liberdade e criatividade
artística.
Claro que por essa proposta em se criar
quadrinhos mais "pessoais" os autores al-
gumas vezes caiam nas armadilhas da auto-
indulgência e panfletarismo político. Mas,
enfim...
Por ter sido co-editada pelo criador da HQ
autobiográfica é natural que a maioria das
seleções apresentem  um conte-
údo mais intimista e/ou introspectivo,
mas a diversidade de estilos e abordagens
é impressionante. Do humor extraordinaria-
mente sutil e poético do Ben Katchor, ao
surrealismo desenfreado e experimentação 
formal da Rebecca Dart, da simplicidade des-
concertante do Ivan Brunetti aos devaneios 
metafíscos do Kurt Wolfgang, da travessura
pós moderna do Joel Priddy a intensidade
dramática do Justin Hall, The Best of é puro
deleite. 
No geral as histórias mais longas (a partir de
agora classificadas como " conto longo e "conto
curto") me pareceram mais interessantes
que as curtas, mas a qualidade como um todo é
bastante alta.
Trezentas páginas de quadrinhos underground,
encadernadas em capa dura e vendida a um
preço comparativamente accessível (geralmente
estas HQ's são lançadas por editoras minúsculas
ou de publicação do próprio autor e custam o olho
da cara) é um verdadeiro presente dos deuses,
mas seria interessante também um pouco de
espaço para o material mainstream. Em sua in-
trodução o Pekar deixa claro sua aversão e
até certo ponto ignorância quanto as HQ's mais
comerciais e a não inclusão de material mais
comercial me deixa a impressão de um certo mau
gosto por parte dos editores.
Mesmo com estes pequenos defeitos The Best of
é uma publicação absolutamente indispensável
para quem quiser saber o que anda rolando no
underground americano.
Abaixo vou relacionar alguns contos que consi-
dero os melhores, seguidos de comentários.

La Rubia Loca-Justin Hall: Extraordinário
conto sobre uma lésbica em crise que em-
barca num ônibus em excursão para o mé-
xico e acaba por se envolver com uma
mulher de comportamento estranho que
posteriormente passa a demonstrar sinto-
mas dos distúrbios de múltipla personalidade.
Talvez o melhor conto do livro e certamente
o mais intenso e dramático. Me deixou uma
profunda impressão.

The Amazing Life of Onion Jack-Joel Priddy:
Deliciosa brincadeira pós-moderna sobre a
vida e morte de um chef que por um acidente
do destino acaba se tornando um super herói
meio relutante.
Interessante o contraste entre os desenhos
estilo "palitinho" e o texto descolado e denso
em referências a cultura pop. Um deleite do
começo ao fim.

Passing Before Life's Very Eyes-Kurt Wolfgang:
Belísima fábula metafísica sobre as últimas
horas de um idoso e sua viagem pela vida tendo
como companheiro em certo ponto seu "eu"
jovem.
Taí um momento quando receio que minhas
palavram sejam insuficientes para transmitir
a beleza e profundidade de um conto. Tái um
novo autor para se ficar de olho; um artista que
conhece a fundo a linguagem dos quadrinhos,
que sabe ser sério sem perder o humor e o
sense of fun.
Simplesmente maravilhoso.

Thirteen Cats of My Childhood-Jesse Reklaw:
Delicioso conto longo sobre a saga de uma família
narrada pelo ponto de vista de uma família de
gatos.
Doce, singelo e humano, Thirteen Cats é uma
pequena pérola. pena que os desenhos não
estejam a altura do texto.

RabbitHead-Rebecca Dart: Quase impossível
de ser resumido e classificado, RabbitHead é
uma espécie de homenagem aos faroestes
italianos utilizando elementos de fábula animal
e dose cavalares de surrealismo e experimen-
tação. Confesso que não estava lá muito entusi-
asmado já que não sou um grande admirador
de experimentações formais, mas ao final da
"leitura" (o conto não têm diálogo) me deixou
uma profunda impressão.
Complexo sem descambar para a incompreen-
sibilidade (pelo menos no que diz respeito ao
desenrolar da ação) e estruturalmente inovador,
RabbitHead é um maravilhoso exercício em
imaginação visual e demência criativa!!
Não me recordo de ter lido uma HQ tão inovadora.

Ready to Die-Kim Deitch: Numca me interessei mui- 
to por "reportagens ilustradas" mas o que me impres-
sionou neste conto-reportagem foi a "falta" daquele
distanciamento jornalístico comum a este tipo de obra.
Me passa impressão que o Deitch acabou se envolven-
do mais do que deveria no caso real de um jovem
americano que estuprou e assassinou pessoas ligadas
a sua namorada após uma crise de ciúmes. Excelente
material jornalístico com uma surpreendente dimensão
humana.

The Adventures of Paul Bunyan and His Ox Babe-Lile Carré:
Singela e humana releitura de um conto folklórico
americano sobre sonhos inocentes e o que é ser
diferente em uma sociedade fria e predatória.

Walkin' the Streets-Robert Crumb: Belíssimo conto
autobiográfico onde o autor narra seu relaciona-
mento com o irmão Charles antes de abandonar sua
casa em definitivo.
Surpreendentemente singelo e poeticamente melan-
cólico, Crumb pode não usar sua metralhadora gira-
tória com a mesma velocidade de outrora, mas seu
virtuosismo gráfico, clareza de visão e genialidade
permanecem intactos.

Goner Pillow Company-Ben Katchor: Humor sutil
e poesia urbana são a tônica desta pérola.
O melhor conto curto da coletânea.

Two Questions-Lynda Barry: Excelente "confissão
ilustrada" sobre os labirintos, bloqueios, dúvidas e
desilusões do processo da criação artística.

Nakedness and Power-Tobocman/Turner/Brownhill:
Energética "reportagem-denúncia" sobre a exploração
dos territórios africanos pelas fábricas de óleo do
ocidente.
Um tanto histérica e panfletária mas também humana e
envolvente.

The Wonder Wart-Hog That Came In from the Cold-
Gilbert Shelton
: O vovô do underground e contêm-
porâneo do Crumb continua queimando chumbo com
seu maravihoso senso de humor anárquico.

John Porcellino, Alison Bechdel, Anders Nilsen, Chris
Ware, Ivan Brunetti
, contribuem com contos de
qualidade variável. Nenhuma história me deixou
uma má impressão mas os trabalhos da Jessica
Abel,  Joe Sacco e Jonathan Bennet
, por uma
questão puramente pessoal, não me impressionaram.


Cotação:  ****1/2  de  *****

Nenhum comentário: