quinta-feira, 1 de maio de 2008

The Moment of Eclipse (1969)- Brian Aldiss-Resenha de conto





 Sinopse:
Cineasta experimental se apaixona por uma
enigmática mulher de nome Christiania e vi-
aja para uma politicamente turbulenta África
a fim de encontrá-la, ao mesmo tempo que filma
um documentário na região. Aos poucos come-
ça a ser acometido por estranhas sensações e
por um senso de possessão que acaba por o
conduzir ao "Momento do Eclipse".


Crítica:
Tentar "sinopsizar" um autor tão contundente e complexo
como o Aldiss, ainda mais um conto escrito no pico da
New Wave britânica da FC, é tarefa ingrata, simplesmente
porque para grandes autores como o Aldiss, enredos
certinhos e lineares e/ou a importância que se dá a eles em
detrenimento a outros aspectos literários funcionam mais
como um "freio limitador". Com isso não estou dizendo
que as boas "histórias" seguem APENAS a cartilha (se é
que existe uma!!) dos experimentalistas; nunca vou esque-
cer do prazer que senti de ter lido o Stephen King e Isaac
Asimov pela primeira vez e para ser sincero leio compara-
tivamente pouquíssima literatura pós-moderna.
Aldiss é um artista de mil faces. Discípulo da tradição clássica
da FC britânica existencial-filosófica do Olaf Stapledon,
começou sua carreira como escritor de FC em meados dos
anos 50 com uma série memorável de contos de FC poéticos
e líricos que incorporavam elementos tão díspares como contos
de fadas, fábulas e o cosmicismo do já citado Stapledon.
Na segunda metade dos anos 60 mergulha de
cabeça no psicodelismo e experimentalismo da New Wave
através da publicação de contos na inovadora revista
New Worlds. Sempre inquieto e desbravando
novos caminhos, nos anos oitenta se torna best seller
na europa com uma elogiada série de romances
sociais mainstream e com uma trilogia de FC
chamada Helliconia que já foi comparada mais
de uma vez com a série Duna.
Enquanto que a maioria dos escritores usam o
formato do conto apenas como plataforma ou
"training ground" para romances, Aldiss
continua produzindo histórias curtas de alto
calibre, e a partir do final dos anos 80, artista
inquieto que é, produz uma série de contos inclassificá-
veis e idiossincráticos que misturam mainstream, FC,
absurdismo, realismo mágico, especulação teológica
e filosófica, humor negro e mais um montão de coisas.
Não que estes elementos não estivessem presentes em
sua ficcão clássica, mas desta vez eles ganham
mais destaque, com os tropes e clichês da FC
ficando mais no background.
The Moment of Eclipse é o que poderíamos chamar de novel of
character
onde o foco é mais na psique do personagem que no
enredo e ação propriamente dito. Nele Aldiss bebe diretamente
da fonte dos anti-novelistas franceses onde as variações tonais,
complexidade estrutural, subjetivismo, paralelismo e obliquidade
ditam as regras do jogo.
Senti também um cheirinho dos decadentes com o seu fatalismo,
e a atração do protagonista por "mulheres com naturezas corrup-
tas". Fica difícil falar muito de uma obra tão oblíqua e alusiva
mas não posso deixar de registrar que a cena do suposto "eclipse"
é das coisas mais estranhas e pertubadoras que já tive oportuni-
dade de ler.
Os contos do Brian Aldiss publicados entre 1968-1972
representam a nata da new wave e Moment of Eclipse
um dos exemplos mais representativos.

Cotação: ***** de *****

Nenhum comentário: