domingo, 8 de junho de 2008

The Hollow of the Three Hills/The Man of Adamant/Wakefield-Nathaniel Hawthorne-Resenhas de contos




The Hollow of the Three Hills

Sinopse:
Mulher adúltera com sentimento de culpa,
contrata os serviços de uma bruxa para lhe
revelar a atual condição dos parentes
que ela envergonhou.


Crítica:
Interessante notar que em um dos primeiros
contos publicados pelo autor já se percebe
em estágio embrionário temas, elementos e
obsessões que iriam assombrar sua obra
por vinte anos: culpa, pecado, redenção,
intolerância etc.Também fica claro o consu-
mado estilista que é, principalmente no que diz res-
peito a pinturas verbais e impressões paisagís-
ticas.
Uma baita duma alegoria moral que funciona igualmente
como puro horror, graças ao final chocante e pertubador.

Cotação: ***** de *****



The Man of Adamant

Sinopse:
Fanático religioso se isola da humanidade
e passa a morar em uma caverna no meio
de uma floresta. Ao receber a visita de uma en-
tidade religiosa incorpórea que lhe pede que
retorne ao convívio social, ele se rebela e se
torna ainda mais amargo e isolado. Recu-
sando-se a sair da caverna para matar a sede
em uma fonte de água fresca, sem medir con-
sequências, recorre ao líquido da caverna
que contém uma substância calcificadora.


Crítica:
Fábulas, parábolas ou qualquer tipo de obra
com aspectos didáticos, doutrinários
ou que tenha sido escrita com o intuito primá-
rio de "passar uma mensagem" nunca foram
meu cup of tea. É verdade que o Hawthorne
se especializou neste tipo de escrita, também é
verdade que seu estilo nem sempre se mostra
palatável ao leitor "moderno" e que seu ponto de
vista puritano, em alguns casos, soa totalmente
ultrapassado. Dito tudo isto, ainda assim o
considero um dos gênios incontestes do conto
e da fábula fantástica. Nenhum autor fantástico
foi tão fundo e com tamanha delicadeza na
nos mistérios e labirintos da condição humana
quanto o Hawthorne.
The Man of Adamant é uma fábula repleta de be-
leza e simbolismo: da caverna simbolizando o
"coração de adamante", a fonte de água límpida;
da aparição da entidade religiosa (narrada com uma
maravilhosa economia de efeito) a extraordinária cena
final, tudo é beleza e bom gosto.
Poético e delicado mas ao mesmo tempo profundo e
pertubador, The Man of Adamant é um dos mais inci-
sivos retratos sobre fanatismo e solidão já escritos.


Cotação: ***** de *****




Wakefield

Sinopse:
Cidadão de meia idade ausenta-se de
sua casa sob o pretexto de passar poucos
dias no campo e acaba por desaparecer
por vinte anos. Mal sabem os parentes e
amigos que na verdade ele continua
morando em um apartamento contíguo
a sua antiga rua e passa, disfarçado, a frente
da sua antiga casa diariamente.


Crítica:
Em um famoso ensaio sobre o trabalho do
Nathaniel Hawthorne, o escritor e poeta argen-
tino Jorge Luis Borges nos aponta a semelhan-
ça de Wakefield com as obras do escritor eu-
ropeu Franz Kafka. De fato qualquer um que
tenha lido qualquer obra mais conhecida do
mestre do absurdo reconhecerá em Wakefield
elementos puramente Kafkeanos: isolamento,
distanciamento, inquietações existenciais etc.
Wakefield se sente compelido a agir de uma
maneira pouco ortodoxa mas, no fundo, não
sabe o porquê; sua nova morada não lhe traz
prazer nem conforto; ama a sua mulher ao
mesmo tempo em que se distancia dela e dos
seus parentes; faz e não sabe o porque.
Em sua exposição dos efeitos e consequências
do isolamento físico e espiritual , da capacidade
humana para o mal e, principalmente, da natureza
essencialmente misteriosa da alma humana,
Wakefield é uma belíssima e pertubadora fábula sobre
a condição humana, das melhores que a literatura
já produziu.

Cotação: ***** de *****

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Obra completa de Edward Gorey-Guia




Amphigorey

Amphigorey Too

Amphigorey Again

Amphigorey Also


Nestes 4 volumes estão contidos a quase totalidade
da obra de um dos grandes excêntricos do século
XX.
Gorey é geralmente encontrado nas prateleiras de HQ's
mas na verdade é um artista que criou um estilo e lingua-
gem próprios que não se adequa a rótulos. Dono de um
estilo detalhado, meticuloso e refinado, complementado
por um texto rebuscado e temperado de humor negro e
ironia, seus maravilhosos "painéis sequenciais" misturam
estética gótica, sátira, crítica social, cinismo, surrealismo
e ironia mordaz em uma mistura única. Apesar de ainda não ser
um artista muito conhecido se comparado
a outros, sua influência se faz notar no trabalho de
artistas tão díspares como Andrew Nieffeger (autora do best-
seller The Time Traveler's Wife), Dame Darcy (autora da
genial HQ underground Meat Cake) a fenômenos pop como
o diretor Tim Burton e a fantasista Caitlin Kiernan que chegou
a escrever um conto em sua homenagem.
Com essa enxurrada de lançamentos de HQ's em nossa terri-
nha seria pra lá de interessante que algum editor corajoso lan-
çasse essas jóias por aqui. O leitor merece.

Abaixo segue uma relação dos 4 volumes com cotações (de cunho
inteiramente pessoal) para cada obra:

AMPHIGOREY:
The Unstrung Harp (1953) ========================= ****1/2
The Listing Attic (1954) ========================= *****
The Doubtful Guest (1957) ======================== ****1/2
The Object-Lesson (1958) ========================= ****
The Bug Book (1959) ============================== ***1/2
The Fatal Lozenge (1960) ========================= *****
The Hapless Child (1961) ========================= *****
The Curious Sofa (1961) ========================== ****1/2
The Willowdale Handcar (1962) ==================== ****1/2
The Gashlycrumb Tinies (1963) ==================== *****
The Insect God (1963) ============================ *****
The West Wing (1963) ============================= ***1/2
The Wuggly Ump (1963) ============================ ****1/2
The Sinking Spell (1964) ========================= ****1/2
The Remembered Visit (1965) ====================== ****

AMPHIGOREY TOO:
The Beastly Baby (1962) =================== *****
The Nursery Frieza (1964) ================= -
The Pious Infant (1966) =================== ****1/2
The Evil Garden (1966) ==================== ****1/2
The Inanimate Tragedy (1966) ============== ****
The Gilded Bat (1966) ===================== ****
The Iron Tonic (1969) ===================== ****
The Osbick Bird (1970) ==================== ****1/2
The Chinese Obelisks (Sketch) (1970) ====== ***
The Chinese Obelisks (1970) =============== ****
The Deranged Cousins (1970) =============== ****1/2
The Eleventh Episode (1971) =============== ****
The Untitled Book (1971) ================== ***1/2
The Lavander Leotard ===================== ***
Direspecful Sermons ======================= ****1/2
The Abandoned Sock (1972) ================= ****
The Lost Lions (1973) ===================== ****
Story for Sara ============================ ****
The Salt Herring ========================== ***
Leaves for a Mislaid Album (1972) ========= ***
A Limerick (1973) ========================= ****1/2

AMPHIGOREY ALSO:
The Utter Zoo (1967) ======================== *****
The Blue Aspic (1968) ======================= ****1/2
The Epileptic Bicycle (1969) ================ ****
The Sopping Thrusday (1970) ================= ****1/2
The Grand Passion (1976) =================== **1/2
Les Passementeries Horribles ================ ***
The Ecletic Abecedarium ===================== ***
L'eure Bleau ================================ ***
The Broken Spoke (1976) ===================== ****
The Awdrey-Gore Legacy (1972) =============== ****
The Glorious Nosebleed (1975) =============== ****
The Loathsome Couple (1977) ================= ****1/2
The Green Beads (1978) ====================== ****
Les Urnes Utiles ============================ ***
The Stupid Joke (1980-1982) ================ ****1/2
The Prune People (1983) ===================== ****
The Tuning Fork ============================= ****1/2

AMPHIGOREY AGAIN:
The Galoshes of Remorse (illustration) ==========
Signs of Spring ======================= ***1/2
Seasonal Confusion =================== ***1/2
Random Walk ====================== ***1/2
Category (illustration) =================
The Other Statue (1968) =============== ****
10 Impossible Objects ================= -
The Universal Solvent (1989) ============ -
Scénes de Ballet ===================== ***1/2
Verse Advice ======================= ***
The Deadly Blotter (1997) ============== ***
Creativity ========================= ***
The Retrieved Locket (1994) ============ ***
The Water Flowers (1982) ============== ***1/2
The Haunted The-Cosy (1988) =========== ***1/2
Christmas Wrap-up (illustration) =========
The Headless Bust (1999) ============== ****
The Just Dessert (1997) ================ **1/2
The Admonitory Hippopotamus =========== ***1/2
Negected Murderesses (1980) ============ ***1/2
Tragédies Topiaries ==================== ****
The Raging Tide (1987) ================= ****
The Unknown Vegetable (1995) ============****
Another Random Walk =================== ***1/2
Serious Life: A Cruise ===================***1/2
Figbash Acrobate (Illustrations) =============
La Malle Saignante ======================****
The Izzard Book ======================== ***

Polly Charms, The Sleeping Woman (1974) Avram Davidson- resenha de conto





Sinopse:
Numa espécie de universo ou
realidade alternativa semelhante a
Europa do século 19, em uma loca-
lidade conhecida como Monarquia Triuna
Scythia-Pannonia-Transbalkania,
um estranho show envolvendo uma
jovem adormecida há mais de trinta
anos desperta a atenção de um comissá-
rio de polícia e do renomado,
polivalente e pau-pra-toda-obra
Doutor Eszterhazy.

Crítica:
Nesta delirante fantasia Steampunk
(primeiro conto de uma série que
narra as aventuras do Doutor num
maravilhoso universo alternativo se-
lhante a inglaterra vitoriana)
Davidson usa sua metralhadora verbal,
finura estilística e imaginação surreal na
criação de um mundo estranho e fasci-
nante.
Nas primeiras páginas fui diretamente arre-
metido ao universo do Lord Dunsany,
não pelos temas e conteúdo e sim
pelas suas qualidades poéticas e descritivas.
Davidson é um daqueles artesões literá-
rios que fazem cada palavra valer a pena.
Ainda que o enredo seja interessante o
suficiente para manter-nos grudados nas
páginas, o encanto do conto está nos deli-
ciosos detalhes do mundo e seus excêntricos
habitantes: a ponte que corta Bella (capital da
monarquia), supostamente projetada pelo
Leonardo Da Vinci; o misterioso poeta que nela
tirou a própria vida por causa de um amor
não correspondido; os charmes e indiossin-
cracias dos habitantes de Bella; a misteriosa
"bela adormecida".... mas nada disso teria vida
não fosse a destreza linguística e forte imagética
do autor (as pinturas verbais, especialmente a
descrição da misteriosa Polly Charms, estão entre
as mais bonitas que já tive oportunidade de ler; poe-
sia em prosa de alto calibre).
A conclusão é enigmática e belíssima.
Depois de meia dúzia de contos lidos já dá para
colocar o Davidson naquela seleta galeria dos gênios
miniaturistas, lá em cima, no primiero patamar fazendo
companhia com o Gene Wolfe, Bradbury, Dunsany,
Ligotti, Ballard, Lovecraft, C. A. Smith, Sheckley,
R.A. Lafferty, Steven Millhauser e mais uma meia dúzia
de gatos pingados.
Um conto para ficar na memória.

Cotação: ***** de *****