sábado, 20 de setembro de 2008

Violated Angels (1967)-Resenha de Filme

Image Hosted by ImageShack.us

Direção: Koji Wakamatsu

Sinopse:
Homem mentalmente pertubado
adentra um dormitório de enfer-
meiras a convite de uma delas,
assassina um casal de lésbicas
e promove uma sessão de tor-
turas físicas e psicológicas an-
tes de assassiná-las.
Prevendo futuros homicídios
uma das enfermeiras tenta inti-
midá-lo por meio do diálogo
mas o ato têm um efeito oposto.

Image Hosted by ImageShack.us

Image Hosted by ImageShack.us


Crítica:
Baseado em um fato real ocorrido em
Chicago nos anos 60, Violated Angels
acabou por se tornar o filme mais co-
nhecido do diretor no ocidente.
Wakamatsu não é um artista lá muito
fácil. Seus filmes incomodam não apenas
pelo alto grau de violência e perversidade
mas principalmente pela maneira como o
diretor disseca as mentes de seus monstros
psicopáticos e (nem sempre) vítimas indefesas, sejam
elas prostitutas, executivos ou cidadões comuns.
Mais que simples sangue, ultra-violência e nudez
(em quantidades generosas diga-se de passa-
gem) seus filmes são acima de tudo densas
explorações psicológicas de mentes pertubadas,
character studies cujo approach e plano de
ataque fica entre o puro exploitation e o
avant-garde, o cru e o sutil, o real e o metafórico,
o sagrado e o profano; em seus filmes high brow
e low brow andam de mãos dadas, convivem
harmoniosamente mas por vezes deixam escapar
aquele risinho irônico e sardônico, aquela sugestão
de uma guerra secreta sendo travada pela supre-
macia.
Violated Angels é um filme incômodo e perverso
(ainda que não alcance os mesmos extremos de sadis-
mo psicopático de The Embryo Hunts in Secret),
daqueles que despertam no espectador um estranho
mix de repulsa e atração (tive a mesma sensação
ao assistir O Desperrtar da Besta do nosso Mojica)
e ao final tive a sensação de assistir a mais um Wakamatsu
vintage, mesmo não tendo o mesmo "peso" e substância
de filmes superiores como Go Go Second Time Virgin
(em minha opinião sua obra prima), Ecstasy of the Angels,
Shinjuki Mad (meu segundo preferido e já resenhado aqui)
e o já citado Embryo.


Cotação: ****1/2 de *****

Nenhum comentário: