quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

EC Archives-Tales from the Crypt Vol 1: Crypt of Terror #19 -Resenha de HQ


Sinopse:
Quatro estórias de suspense e horror
roteirizadas pelo Al Feldstein e dese-
nhada por diversos artistas.

Crítica:
Quando, no final dos anos 40,
os editores da revista Crime Patrol
notaram uma maior aceitação
popular pelas estórias com foco
nos aspectos horroríficos,
se fez necessário uma mudança
de nome e direcionamento.
A partir do número 20 Crypt
of Terror teve seu nome modificado em
definitivo para Tales from the Crypt.


Ghost Ship!

Sinopse:

Casal sobrevivente de um
acidente aéreo embarca
em um navio aparentemente
vazio e lá encontra esqueletos
e um diário de bordo.


Crítica:
Tentativa em se criar um
conto de horror marítmo
na linha do William Hope
Hodgson. Boa arte com
uma impactante cena
no final, mas falta ao conto
tensão e atmosfera.

Cotação: *** de *****


The Hungry Grave:


Sinopse:
Para se livrar do marido al-
coólatra e ficar com herança
mulher convence o amante a
envenená-lo, mas o tiro
sai pela culatra.

Crítica:

Não é dos mais engenhosos e im-
pactantes (o final é previsível e
telegrafado) mas o que o eleva
acima do mediano é a extraordi-
nária arte do Graham Ingels. Dono
de um estilo que eu classificaria
como weird-gothic, Ingels é o
mestre das sombras, atmosfera e
distorções faciais.
Este conto caberia como uma luva
na série Alfred Hitchcok Presents.

Cotação: **** de *****



The Cave Man:

Sinopse:
Curador de um museu se vê
obrigado a abandonar um
projeto particular a contragosto
para se concentrar em uma
descoberta arqueológica.

Crítica:
Este conto um tanto bobo
e previsível caberia melhor num
dos encadernados de Weird
Science ou Weird Fantasy.

Cotação: *** de *****


Voodoo

Sinopse:
Jornalista registra com sua câmera
uma estranha ressureição em um ri-
tual voodoo e vai atrás do seu anfitrião
a procura de informações.

Crítica:
O que anda deixando a desejar em al-
guns contos desta primeira fase da
Crypt é a falta de um big punch e/ou
pay-off no final. Voodoo têm
ótimos momentos mas murcha no final.


Cotação: *** de *****

No geral uma edição decepcionante e inferior
as anteriores cujo destaque é
a estréia do monumental desenhista Graham
Ingels no título, que por si só já vale a leitura.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

The Defenders(1952)-Philip K. Dick-Resenha de conto


Sinopse:
Em uma guerra no futuro, a humanidade passa a viver
nos subterrâneos terrestres enquanto os conflitos
são travados por robôs na inabitável e radioativa
superfície terrestre. Quando um oficial em recesso
recebe um comunicado para comparecer em caráter de
urgência no sub-gabinete do seu superior,um segredo
vem à tona e eles se vêem obrigados a explorar a su-
perfície terrestre a fim de descobrir a verdade sobre
a guerra.

Crítica:
Na primeira metade dos anos noventa,
por meio das coleções de FC portuguesas
e tupiniquins, eu estava devorando os
livros do mestre da irrealidade praticamente
de uma sentada em quantidades cavalares.
Blade Runner,Ubik, Loteria Solar, Os Três
Estigmas de Palmer Eldritch... em meio a esses
e outros clássicos me caíram em mãos tranquei-
ras como Vulcan's Hammer (mesmo em seus piores
momentos Dick sempre nos surpreende com alguma
ironia cósmica ou idéia interessante) e títulos
relativamente obscuros como Os Clãs da Lua Alfa
(um dos seus livros mais subestimados)e A Penúl-
tima Verdade. Este último, lido após os clássicos
citados, me soou como uma leitura mais "realista"
e down to earth e mesmo tendo me deixado a im-
pressão de uma leitura agradável e intelectualmente
estimulante, me deixou também a sensação de uma
obra com conceito e idéias centrais engenhosos
porém mal aproveitados, uma obra com um potencial
não totalmente realizado.
The Defenders foi o conto que serviu de base para
o romance e em vários aspectos é superior a obra
expandida. Em apenas 20 páginas Dick constrói um cenário
futurista detalhado e realista com uma quantidade de idéias
e questões dignos de um romance de 500 páginas.
Compacto, straight to the point, intelectual
e filosoficamente estimulante, com suspense, mistério e
drama muito bem dosados, The Defenders é uma pequena
pérola que só não leva nota máxima pelo "discurso" na
parte final um tanto piegas.


Cotação: ****1/2 de *****

domingo, 7 de dezembro de 2008

The Men Return (1957)-Jack Vance-Resenha de conto


Sinopse:
Ao passar por uma área de não-causalidade a terra
entra em colapso e a população é praticamente dizi-
mada junto com uma raça conhecida como Relicts.
Em meio ao caos, vivendo em um mundo caótico
onde tudo pode acontecer, os Organisms (como são
conhecidos os humanos sobreviventes) e os Relicts
se confrontam em uma terra devastada e em constante
mutação onde nada é fixo nem permanente, a procura
do bem mais precioso: comida.


Crítica:

The Men Return é um assustador retrato de um mundo onde
a causalidade não se aplica e consequentemente os sobreviven-
tes travam uma infindável batalha pela sobrevivência e "perma-
nência" numa terra em constante convulsão e transformação:
jatos de fontes de pedra líquida que se ramificam em corais
negros, ar sólido servindo como "navios aéreos", pirâmides
que se transformam em domos que se transmutam em tesse-
racts, terrenos traiçoeiros e sem solidez, superfícies
vitrificadas e ao mesmo tempo maleáveis, áereas de vácuo que
funcionam como armadilhas...
No mundo de Vance o ambiente molda o comportamento e
ações dos sobreviventes, assim como suas reações acabam por
influênciá-lo.
The Men Return não retrata um futuro distante e sim um futuro
impossivelmente distante onde o sense of strangeness, vastness,
e alieness reinam supremo.
Esta pequena pérola me lembrou positivamente tanto o conto
Black Destroyer do A E. Van Vogt (pela cena inicial da criatura
faminta no sopé de uma montanha à procura de comida e a at-
mosfera tensa e sombria) assim como o fabuloso Road to Night-
fall (já resenhado por mim) do Robert Silverberg.
A execução e imagética quase surreal se assemelha a alguns experi-
mentos da new wave (talvez o J. G Ballard ou Barrington J. Bayley)
O refinamento estilístico e a imaginação febril do Vance criam, em
menos de 10 páginas, uma pequena obra prima.

Cotação: ***** de *****

EC Archives-Tales from the Crypt Vol. 1: Crypt of Terror # 18 -Resenha de HQ


Sinopse:
Quatro estórias de suspense e horror
roteirizadas pelo Al Feldstein e dese-
nhadas por diversos artistas.

Crítica:
Quando, no final dos anos 40,
os editores da revista Crime Patrol
notaram uma maior aceitação
popular pelas estórias com foco
nos aspectos horroríficos,
se fez necessário uma mudança
de nome e direcionamento.
A partir do número 20 Crypt
of Terror teve seu nome modificado em
definitivo para Tales from the Crypt.


The Maestro's Hand

Sinopse:
Médico se vinga de
famoso pianista após este ter
lhe roubado a esposa.


Crítica:
A idéia central foi "emprestada"
de The Hands of Orlac, romance do Maurice
Level. Não sou um grande admirador de contos
narrados em flashback mas no material da E.C.
eles funcionam muito bem.

Cotação: ****1/2 de *****


The Living Corpse

Sinopse:
Funcionário de necrotério é atacado
por duas vezes por corpos apa-
rentemente reanimados.

Crítica:
Conto com um enredo extremamente
simples mas de uma eficiência
extraordinária. Um de seus trunfos
é justamente na condução da
estória. Além do ritmo frené-
tico e quase paranóico os
desenhos do Wally Wood criam
uma densa atmosfera de pesadelo
demencial.
Uma verdadeira aula de atmosfera
e storytelling.Tudo isto em apenas
sete páginas.


Cotação: ***** de *****


Madness at Manderville:

Sinopse:

Após perder seu filho, esposa
passa a apresentar sinais de psicose
mas é ajudada pelo seu marido que
a leva para ser tratada


Crítica:
Nas HQ's da E.C. quanto menos se
entrega o plot melhor. Basta dizer
que este conto têm um dos twists
mais engenhosos e coerentes
que já tive oportunidade de ler.
Quem gosta daqueles thrillers
da Hammer certamente apreciará
este conto.


Cotação: ****1/2 de *****



Mute Witness Murder

Sinopse:
Mulher perde a voz após
presenciar pela janela do
seu apartamento um
assassinato.

Crítica:
Thriller hitchcokeano
carregado de suspense e tensão.
Um belo desfecho para uma edição
memorável.


Cotação: ****1/2 de *****