terça-feira, 24 de março de 2009

Hop-Frog(1849)/The Premature Burial(1844)-Edgar Allan Poe-Resenha de Contos


HOP-FROG

Aviso: possíveis spoilers

Sinopse:
Quando um líder tirano e fanfarrão
humilha uma anã em frente de sua
comitva, seu amigo anão perneta
vinga-se do tirano o convencendo a 
se fantasiar, juntamente com a comi-
tiva, de orangotangos com o intuito
de assustar e pregar uma peça 
nos convidados no dia de um bai-
le de máscaras. Mal sabe o líder
o destino que os aguarda.



Crítica:
Nesta vívida fantasia macabro-fanfarrona, que também
poderia ser agrupada dentre os contos de vin-
gança como O Barril de Amontillado, vemos um 
Poe em high spirits bebendo claramente das
fantasias histéricas, excêntricas e de 
colorido e ação exuberantes do gênio
alemão Hoffmann. Ainda que o anão não
seja exatamente um ingênuo inocente e sua
vingança contra o tirano seja extremamente 
cruel, há algo de deliciosamente ridículo e absurdo
em suas ações que acabam por despertar um sense
of pathos e simpatia no leitor.

Uma delícia de leitura.

Cotação: ****1/2  de  *****

THE PREMATURE BURIAL

Sinopse:
Homem cataléptico desenvolve um
um medo e obsessão de ser enterra-
do vivo durante uma de suas crises 
catalépticas e consequentemente se
isola, por medo de que algum desconhecido o 
tome como morto em meio a um ataque.
Mesmo com o auxílio de amigos ele não
consegue se livrar de sua obsessão a
ponto de construir um caixão com dispo-
sitivos preventivos no caso de um "acidente".



Crítica:
Não é novidade para ningúem que o Poe
escrevia sobre ele mesmo: seus medos,
traumas e obssessões. Mas, enquanto 
seu talento, imaginação e personalidade
idiossincrática lhe "obrigava" a escrever
o que bem entendesse, na medida do
possível, em vários contos, Poe tentava 
seguir o o gosto do público, a seu modo
é claro! (business is business!!!).
Catalepsia e ser enterrado vivo foi, durante algum tempo,
assuntos em voga na época de Poe, com
vários casos documentados.
Uma das sacadas de gênio do mestre foi misturar 
uma narração pseudo factual, escrita num estilo quasi jor-
nalistico e semi-documental com um enredo ficcional.
O resultado é um estranho e fascinante híbrido de ensaio
e ficção.
O cataléptico "prepara o terreno" nas primeiras páginas, 
relatando diversos casos de enterros prematuros,
e nas últimas, conta sua experiência pessoal.
Premature Burial têm, a meu ver, uma das sequências
de sonhos/visões mais potentes da literatura de horror e
só não leva nota máxima porque o final racional acaba por
minar um pouco a força do conto, mas o parágrafo final,
carregado do mais puro horror existencial, é de gelar o
sangue.

Cotação: ****1/2  de  *****

2 comentários:

Leandro Caraça disse...

Ramon, indiquei esse blog para um prêmio. Depois dá uma passado no meu blog para maiores informações.

Ramon Bacelar disse...

Oi,

Valeu pela força!!Vou ver se o atualizo mais!!

Abs
Ramon Bacelar