quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Batman Preto e Branco-Resenha de HQ


Com uma proposta em apresentar contos do Batman
em 8 páginas, roteirizados e desenhados por uma 
constelação de artistas, este álbum gráfico acaba por 
surpreender não apenas pela qualidade gráfica e
textual da maioria dos contos, como também na liberdade
e ousadia de abordagem dada aos artistas. O resultado
é um álbum rico e surpreendente a cada página. Uma das
grandes sacadas foi justamente não se ater a fórmulas e clichês
a que estamos acostumados a ver nos títulos mensais
e minisséries. Os contos demonstram muita liberdade artística
por parte de seus criadores e uma variedade de approach e
riqueza tonal não muito comum em HQ's mainstream.
Nota-se com bastante frequência o interesse dos artistas
em imprimir um tom fabular, lendário, e até mesmo folclórico
e alegórico aos contos, rendendo a obra um caráter mais sério
e clássico.
Ainda que figurinhas carimbadas como Neil Gaiman, Howard Chaykin
e Brian Bolland deixem um pouco a desejar em suas histórias, a grande
maioria dos contos cumprem muito bem o seu papel. O resultado é uma
obra gráfica e esteticamente agradabilíssima, que nos proporciona
uma leitura rica e prazeirosa. Vale cada centavo.

Seguem comentários com cotação de * a *****

Luto eterno - Teddy Christensen com sua arte suja, estranha e angular
nos joga numa história de investigação com enfoque psicológico cuja
narrativa elíptica e enredo vago paira na mente muito após a leitura. 

Cotação: ****1/2 de *****



Um para o outro - Bruce Tim (criador da premiada animação do Batman) 
coloca o duas caras como protagonista neste conto sensacional
que é uma perfeito exemplo de literatura pulp-noir em quadrinhos. 

Cotação: ***** de *****


A caçada - Joe Kubert conta uma história relativamente convencional
mas eficiente.

Cotação: ***1/2

Pequenos crimes - Linda arte do Howard Chaykin infelizmente amparada por
um roteiro pouco inspirado.

Cotação: **1/2 de *****



O trompete do demônio - Grande roteiro do Archie Goodwiin (um pequeno mestre 
dos contos de 8 páginas) e espetacular arte do José Munoz fazem deste nostál-
gico conto sobre um trompete amaldiçoado um dos melhores do álbum

Cotação: ***** de *****


Lenda - Batman inserido num cenário de FC distópica pode não parecer
a melhor das combinações, mas a abordagem do Walter Simonson
funciona bem.

Cotação: ****1/2 de *****


Criando Monstros- Grande arte do Richard Corben amparado por
um roteiro pouco inspirado sobre delinquência juvenil.

Cotação: *** de *****

Os Olhos do Menino Morto- A arte surreal e obtusa do Kent
Williams por sí só já vale o tempo empreendido na leitura
deste excelente conto psicológico.


Os Filhos do demônio- Conto rotineiro e pouco inspirado.

Cotação: ** de *****

Um Mundo preto-e-branco- Neil Gaiman decepciona nesta tentativa
de uma abordagem mais humorística.

Boa Noite, Meia Noite-Excelente arte e roteiro do Klaus Janson
que mergulha nos traumas e ansiedades do morcegão.

Cotação: **** de 1/2 de *****


Em Sonhos- Boa arte e roteiro razoável neste conto com clima de horror
dos anos 60.

Cotação; ***1/2 de *****

Assalto- Matt Wagner nos deleita com um delicioso conto cujo impacto
visual e sofisticação gráfica são suficientes para perdoar um roteiro
pequeninho.

Cotação: ****1/2 de *****


Galho Torto- Bill Sienkwicz decepciona neste conto belamente ilustrado
mas com uma verborragia e profusão textual que acaba por pesar na narrativa
e cansar o leitor.

Cotação: ** de *****

Noite de Sangue- Conto de natal simples que cumpre extamente
o que promete: ser escapista e divertir.

Cotação: **** de *****

Sujeito Inocente-O genial ilustrador Brian Bolland tenta uma abordagem pós
moderna para o mito do morcego não inteiramente satisfatória.

Cotação: **1/2 de *****

Monstros no Armário- Mais um excelente conto de FC, bastante movimentado
e com imagética bizarra.

Cotação: ****1/2 de ***** 


Heróis-Mais um feito do grande Archie Goodwin, desta vez acompanhado pelo 
obsessivamente detalhista e genial Gary Gianni cuja maravilhosa arte final
ranhurada nos remete a mestres do passado como o Reed Crandall.
Talvez o melhor conto da coleção.

Cotação: ***** de *****


Despedida- Mais um conto psicológico do Batman com excelente arte estilosa
em que ele visita seus demônios e fantasmas do passado.

Cotação: ****1/2 de *****

A Terceira Máscara- Katshiro Otomo decepciona por repetir
cenários e ação do seu clássico Akira.

Cotação- ** de *****

Nenhum comentário: